Apenninus Monte
Apenninus Monte

http://www.astrobin.com/full/187791/0/

Norte dos Montes Apenninus

São tantas as formações notáveis presentes nesta simples foto que fica difícil escolher exatamente sobre o que falar. Assim, ao invés de falar sobre elas, vamos abordar outro aspecto e falar sobre a missão lunar Apollo 15 que foi de grande importância para um maior conhecimento do nosso satélite.

Missão Apollo 15

Local de aterragem
O sitio de aterragem Apollo 15 foi localizado a 26 ° 4 '54 "de latitude norte por 3 ° 39' 30" de longitude leste, ao pé da cordilheira dos Apeninos. Os Apeninos sobem para mais de 15.000 pés (4572 m) ao longo da borda sudeste do Mare Imbrium (Mar das Chuvas).
Os Apeninos são a escarpa mais alta na lua, é mais elevado acima das planícies do que a face leste da Sierra Nevada, na Califórnia e a frente do Himalaia elevando-se acima das planícies da Índia e Nepal. O local de pouso tinha sido selecionado para permitir que os astronautas usassem o carro do LM (modulo Lunar) a frente dos Apeninos durante dois dos EVAs.
Canal Hadley é um desfiladeiro em forma de V paralelo aos Apeninos ao longo da borda oriental do Mare Imbrium. O rille serpenteia para baixo a partir de uma depressão alongada nas montanhas e em todo o Palus Putredinis (pântano da deterioração), fundindo-se com um segundo rille cerca de 62 milhas (100 quilômetros) ao norte. Hadley Rille mede cerca de um quilômetro e meio de largura e cerca de 1.300 pés (400 metros) de profundidade durante a maior parte do seu comprimento.

Visão geral 
Apollo 15 foi a primeira das três missões "J" projetados para conduzir a exploração da Lua por períodos mais longos, de intervalos maiores e com mais instrumentos para aquisição de dados científicos do que as anteriores missões Apollo. A mudança mais significativa foi a instalação de um módulo de instrumento científico em um dos compartimentos do módulo de serviço para investigações científicas a partir da órbita lunar. Outras alterações de hardware consistiu de modificações no módulo lunar para acomodar uma maior carga útil e uma estadia mais longa na superfície lunar, e o fornecimento de um veículo lunar.

Operações de superfície 
Por causa da variedade de características da superfície, local de pouso do Hadley-Apennine permitiu extensa exploração geológica. Durante as cerca de 67 horas na Lua, a tripulação realizou uma atividade de 33 minutos de stand-up extraveicular (EVA) na escotilha superior do módulo lunar, bem como três EVAs, totalizando cerca de 18,5 horas na superfície lunar.

Missão Fotográfica
Os objectivos fotográficas da missão Apollo 15 foram concebidos para suportar uma ampla variedade de experimentos científicos e operacionais, assegurar a alta resolução de fotografias panorâmicas e precisamente orientada fotografias métricas da superfície lunar, e para documentar tarefas operacionais na superfície lunar e em vôo . Detalhado planejamento pré-missão integrada das tarefas fotográficos com os outros objetivos da missão de produzir uma missão equilibrada, que retornou mais dados do que qualquer viagem espacial anterior. O retorno de dados fotográficos foi reforçado por novos equipamentos, a alta latitude do local de pouso e maior tempo em órbita lunar. Novos sistemas de câmeras que foram montadas no compartimento de módulos instrumento científico (SIM) do módulo de serviço forneceram uma grande capacidade fotográfica que não estava disponível em qualquer missão anterior. Câmeras adicionais disponíveis para uso dentro do módulo de comando (CM) e na superfície lunar também aumentou o potencial fotográfica da missão Apollo 15 sobre vôos tripulados anteriores.

Experiências científicas
Além de seus estudos sobre a superfície lunar, a tripulação da Apollo 15 realizou estudos intensivos da Lua em órbita lunar. Além de fotografia realizada com câmeras de mão no módulo de comando, uma série de experimentos foram realizados no instrumento Módulo científico sobre o Módulo de Serviço. O mesmo conjunto de instrumentos baía SIM também foi levado na Apollo 16.
Além de estudos geológicos, a tripulação da Apollo 15 realizou várias experiências na superfície lunar. Os resultados de algumas dessas experiências foram enviados por rádio para a Terra pela tripulação ou levados à Terra para análise laboratorial.

As amostras lunares 
Apollo 15 pousou no Mare Imbrium na base das montanhas dos Apeninos, que fazem parte da borda da bacia de impacto Imbrium. Havia dois principais objectivos da geologia para este site: coletar rochas das montanhas dos Apeninos e estudar o Canal Hadley, um canal vulcânico perto do local de pouso. A tripulação Apollo 15 coletou 370 amostras de rochas e solo individuais, incluindo um núcleo de perfuração profunda com material de 2,4 metros abaixo da superfície lunar, com uma massa total de 77 quilogramas.

Fonte: Lunar and Planetary Institute
The Apollo Program - Smithsonian National Air and Space Museum
Adaptação: Avani Soares

topo