Hercules
Hercules

Quadrante 3

http://www.astrobin.com/full/194028/0/?real&mod

Atlas e Hércules, um mergulho na noite lunar!
Crateras simples sobre a Lua, aproximadamente ≤15 - 20 km de diâmetro, são geralmente em forma de tigela, mas as mudanças nas condições de impacto influenciam a forma final da cratera. Quando um bolide (asteróide ou cometa ou até mesmo naves espaciais) impacta a superfície lunar, a forma da cratera resultante é dependente de vários fatores, bem como a influência desses fatores na forma cratera é complicado. A forma final da cratera é dependente de factores, tais como o ângulo de impacto, a velocidade de impacto, inclinação da superfície, e material do alvo, e muitas vezes é difícil (por vezes impossível!) determinar qual o fator domina o processo de formação da cratera. Na verdade, a maior parte do conhecimento sobre a mecânica de impacto nas crateras são derivados das experiências e modelagem numérica que tentam compreender a dinâmica do impacto de crateras.
A imagem em destaque de hoje é prova de que a forma da cratera de impacto é de alguma maneira ligada aos fatores mencionados acima. Hercules E (45.783 ° N, 38.698 ° E, com 9 km de diâmetro) formada na borda sul da parede de Hercules (~ 70 km de diâmetro), situada entre Lacus Mortis e Atlas. A forma de "E" é alongada e mais elíptica do que circular, especialmente em comparação com Hercules G e uma cratera sem nome que impactou no aro de Hercules para o leste. Na projeção 3D, pouco mais de metade de Hércules E está na sombra, de modo que observações do piso são impossíveis nessa escala. No entanto, o interior da cratera é visível na imagem NAC (http://lroc.sese.asu.edu/posts/372), e o piso de forma triangular, sugere que a Hercules E não é um simples cratera em forma de taça depois de tudo. Uma interpretação inicial pode ser que a morfologia do interior cratera foi largamente influenciada pela formação sobre o aro e a parede de Hércules, mas existem duas crateras circulares que também formados na borda e da parede Hercules. A presença destas crateras empoleiradas circulares na parede de Hércules, bem como crateras empoleiradas circulares em qualquer outro local na Lua, sugere que outros factores (velocidade de impacto, o ângulo de impacto) provavelmente contribuiu para a forma elíptica da Hercules E. Quando o ângulo de impacto é baixo (<15 °), cratera molda mudança de circular a mais elíptica ou oblíqua, por isso pode ser que Hercules E resultou de um impacto oblíquo. No entanto, a velocidade de impacto também pode afetar a forma cratera e impactos de baixa velocidade pode produzir crateras em forma de irregular.
Fonte: LROC / QuickMap - NASA

topo