Montes Apenninus
Montes Apenninus

PS: Peço encarecidamente aos colegas olharem a foto em total resolução no Astrobin, vale a pena! http://www.astrobin.com/full/224164/0/?real&mod

A Cordilheira dos Apenninus forma a porção sudeste do anel principal da Bacia Imbrium. Ela sobe de 2 a 5 km acima da superfície dos mares. Para efeito de comparação, o Pike's Peak nas montanhas rochosas da Terra tem uma elevação de 4,3 km acima do nível do mar.
As montanhas Mons Wolff, Mons Ampère, Mons Huygens, Mons Bradley, Mons Hadley Delta e Mons Hadley pertencem à cordilheira dos Montes Apenninus.
Mons Huygens é a montanha mais alta com 5042 metros.
As montanhas Mons Hadley Delta e Mons Hadley são mais conhecidas porque formam o vale que recebeu a visita do módulo lunar “Falcon” da missão APOLLO 15, em 30 de junho de 1971 (local indicado na foto por um círculo). Nesta missão os astronautas David Scott e James Irwin desembarcaram na Frente dos Apenninus e passaram três dias realizando trabalho de campo e coleta de amostras, o que torna estas montanhas um ponto focal do estudo científico intensivo na Lua.
O grande relevo topográfico da Cordilheira dos Apenninus é um produto da interação complexa entre o impacto de formação de bacia Imbrium e as características pré-existentes na região, especialmente as bacias Insularum e Serenitatis. As bacias lunares multi-anel como Imbrium são crateras de impacto grandes e complexas. As bacias de impacto lunares formadas entre 3,92 e 3,72 bilhões de anos atrás se formaram através de colisões com asteróides de grande porte. Mais tarde, a maioria destas características de impacto gigantesco no lado voltado a Terra foram preenchidas com basaltos. Na verdade, Mare Imbrium, refere-se aos basaltos que enchem a bacia Imbrium, e não a própria bacia. A partir de estudos feitos nos últimos 40 anos das rochas trazidas pela Apollo 15, sabemos agora, que o evento que formou a bacia Imbrium realmente aconteceu várias centenas de milhões de anos antes da erupção dos basaltos que encheram a bacia Imbrium
O impacto inicial que formou o Imbrium escavou e rearranjou uma enorme quantidade de materiais da crosta dos altiplanos. Grande elevação estrutural então ocorreu ao longo da frente dos Apenninus diante do local onde pousou o material de ejeta escavado.
Após a ejeta sedimentar, áreas afundadas ocorreram ao longo da frente e causaram grandes perturbações sísmicas. Uma teoria de formação de anéis indica que a queda de material para o centro da bacia durante a fase de modificação da cratera é responsável pelos anéis vistos em bacias lunares de impacto multi-anel. Outros cientistas dizem que anéis múltiplos se formaram pelas propriedades intrínsecas da crosta lunar primordial.
Além disso estudos in-situ são necessários para entender a formação de bacias com múltiplos anéis e sua influência sobre a evolução geológica da Lua e outros corpos planetários também. As imagens de alta resolução dos Apeninus pela Lunar Reconnaissance Orbiter Camera irá fornecer dados para ajudar a iluminar os seus meandros morfológicos e mineralógicos e determinar metas para a futura exploração lunar humana.
Fonte: Apollo Image Archive / Arizona State University - Vaz Tolentino Observatório Lunar
Adaptação e texto: Avani Soares

 

topo