Olympus Mons
Olympus Mons

Olympus Mons, o maior vulcão do Sistema Solar.
O maior dos vulcões na Região dos Montes Tharsis, bem como o maior de todos os vulcões conhecidos no sistema solar, é Olympus Mons. Olympus Mons é um escudo vulcanico de 624 km (374 milhas) de diâmetro (aproximadamente o mesmo tamanho que o estado do Arizona), 25 km (16 milhas) de altura, e é margeada por uma alta escarpa de 6 km (4 milhas). A caldeira tem 80 km (50 milhas) de largura e está localizada no cume do Monte Olimpo. Para comparar, o maior vulcão da Terra é Mauna Loa. Mauna Loa tem um escudo vulcanico de 10 km (6,3 milhas) de altura e 120 km (75 milhas) de diâmetro. O volume de Olympus Mons é cerca de 100 vezes maior que o de Mauna Loa. Na verdade, toda a cadeia de ilhas havaianas (de Kauai para o Havaí) iria caber dentro de Olympus Mons!

Porque é que a Olympus Mons tão grande?
A principal diferença entre os vulcões de Marte e da Terra é o seu tamanho; os vulcões na região de Tharsis são 10 a 100 vezes maiores do que aqueles em qualquer lugar na Terra. Os fluxos de lava na superfície marciana são observados para ser muito maior, provavelmente um resultado de taxas de erupção mais elevados e menor gravidade superficial.

Outra razão pela qual os vulcões em Marte são tão grande é porque a crosta de Marte não se move da forma que faz na Terra. Na Terra, os pontos quentes permanecem estacionários, mas as placas da crosta estão se movendo acima deles. As ilhas havaianas resultam do movimento para noroeste da placa do Pacífico ao longo de um hotspot produzindo lava estacionária. Como a placa se move sobre o ponto de acesso, novos vulcões são formados e os já existentes vão sendo extintos. Isto distribui o volume total de lava entre muitos vulcões, em vez de um grande vulcão. Em Marte, a crosta permanece estacionário e a lava se acumula em um vulcão muito grande.
Olympus Mons é um vulcãode escudo. Ao invés de serem vulcões de grande violência expelindo material fundido, vulcões de escudo são criados por lava a fluir lentamente para baixo e seus lados. Como resultado, a montanha tem uma aparência atarracada baixa, com uma inclinação média de apenas 5 por cento.
Seis crateras de colapso, conhecidas como caldeiras, empilham-se em cima uma das outras para criar uma depressão na cimeira que é grande com 85 Km. Quando as câmaras de magma abaixo das caldeiras esvaziaram de lava, provavelmente durante uma erupção, essas câmaras entraram em colapso, não foram capaz de suportar o peso da terra acima.

Um precipício, ou escarpa, rodeia a borda externa do vulcão, alcançando a altura de 6 milhas (10 quilômetros) acima da área circundante. (O penhasco sozinho é quase tão alto como Mauna Loa.) Uma grande depressão envolve a base do vulcão devido ao seu peso imenso que pressiona a crosta.
Olympus Mons é um vulcão ainda é relativamente jovem. Embora tenha levado milhares de milhões de anos para se formar, algumas regiões da montanha pode ter apenas alguns milhões de anos, assim sendo Olympus Mons ainda pode ser um vulcão ativo com potencial para entrar em erupção a qualquer momento.
O vulcão mais alto do sistema solar também pode abrigar geleiras rochosas e detritos rochosos congelados no gelo. Neve e gelo depositados acima da base da blindagem poderia resultar em tais geleiras. Gelo de água isolado por poeira da superfície poderia existir perto do topo do vulcão.
Os vulcões em Montes Tharsis são tão grandes que se elevam acima das tempestades de poeira sazonais de Marte. Astrônomo italiano Giovanni Schiaparelli , que estudou a superfície marciana intensivamente no final do século 19, observou esses enormes recursos usando um telescópio de 8 polegadas (20 centímetros). Quando a Mariner 9 da NASA chegou ao planeta vermelho em 1971, ao meio de uma grande tempestade de areia, foi capaz de fotografar os topos dos vulcões acima dessas tempestades.
Fonte: NASAs Mars Exploration Program
Nola Taylor Redd, Space.com Contributor
Adaptação: Avani Soares
Ver a foto em alta resolução no Astrobin:
http://www.astrobin.com/full/254320/0/

topo