MONS RÜMKER
MONS RÜMKER

Quadrante 2

 http://www.astrobin.com/full/170061/0/

O COMPLEXO LUNAR DOME MONS RÜMKER
 O complexo vulcânico lunar Mons Rümker (às vezes soletrado "Rumker") situa-se na
parte noroeste da Oceanus Procellarum, tem um diâmetro de cerca de 65 km  e altitude máxima em torno de 1,1 Km acima da superfície circundante, é o maior  edifício vulcânico conhecido na Lua,  um imenso domo de origem vulcânica, composto por um agrupamento coeso de domos, ou seja, um complexo de sobreposições de domos menores, a maioria com encostas baixas e alguns poucos mais íngremes e por isto apresenta-se como uma formação discreta.
Calcula-se que o volume estimado de lava para criar Mons Rümker foi cerca de 1.800 km³.
Conforme estudos atuais  é composto de uma série de sobreposições de fluxos de lava. Mons Rümker é alinhado com o planalto Aristarco e o Marius Hills ao longo do eixo de Oceanus Procellarum. Várias cúpulas individuais podem ser distinguidas no planalto.
Rümker é a única cúpula com o nome de uma cratera. Rümker enganou os selenógrafos, que no século 19 pensaram que era uma cratera em ruínas.

Cúpulas lunares são ondulações suaves entre 3 e 20 km de largura, e, no máximo 1 km  de altura. Podem ser de várias formas e tamanhos, mas as mais comuns são de forma hemisférica  com um perfil baixo. A maioria tem muito baixo ângulo de inclinação e, são, a melhor evidência de atividade vulcânica na lua. Muitos têm uma pequena cratera central no pico, que ocorre após o término do fluxo de magma com conseqüente  colapso caindo para dentro .  Domes sem uma cratera pico ainda são de origem vulcânica, mas parecem ter tido sua abertura central coberta com lava.

A observação de cúpulas lunares é uma atividade desafiadora que exige dedicação e tempo acoplado a boas condições de observação. A maioria das cúpulas não pode ser observada quando longe do terminador. Como sua distância do terminador perde contraste e começa a misturar-se com o terreno local e para todos os efeitos práticos da cúpula desaparece de vista. Pelas razões mencionadas, a maioria dos autores recomendam que as observações das cúpulas deve ser realizada perto do terminador lunar, onde a altitude solar não exceda 4-5 graus. Outros observadores sugerem 8 graus de altitude solar como o mínimo, mas notadamente entre  4-5 graus de altitude solar, as cúpulas menores, cúpulas de perfil baixo e detalhes da superfície de cúpulas maiores tornam-se bem visíveis. Há apenas algumas cúpulas que podem suportar altas altitudes solares sem desaparecer em suas áreas locais.

Equipamentos e técnicas de observação.
Mesmo um pequeno telescópio refrator de 3" irá mostrar as cúpulas maiores na lua, mas para um trabalho mais sério um refrator de nada menos do que 4" ou um refletor, não inferior a 6 " é necessário. Outro item que é quase indispensável é uma boa montagem equatorial que pode fornecer acompanhamento constante. Devido ao fato de que cúpulas são objetos difíceis de observar, geralmente é necessário o uso de altas potências no telescópio. Isto impede o uso de um telescópio conduzido na mão para observações prolongadas. Com um bom e bem colimado 8" montado em uma equatorial resistente pode-se fazer observações e registros excelentes. Colimação da óptica deve ser enfatizada para se ter uma imagem clara e boa que é primordial a fim de proporcionar ao observador a capacidade de capturar aquelas  cúpula evasivas, especialmente quando as condições atmosféricas não são perfeitas, que irá acontecer a maior parte do tempo. Recomenda-se sempre que possível o uso de alta potência. Em boas condições de visão não há nenhuma razão para que boas ópticas não podem ser empurradas para realizar o seu máximo. Aumentos da ordem de 200 a 300X são desejáveis, filtros  também podem ser utilizados, mas não são um requisito fundamental.. Também é importante mencionar que a observação eficaz das cúpula não pode ser realizada com a lua demasiado baixa, perto do horizonte. Uma altitude mínima de 45 graus do horizonte é geralmente necessário para reduzir os efeitos atmosféricos. Um bom seeing é  também importante embora algumas das cúpulas maiores podem ser observados com alguma turbulência.

Fonte:  LPOD - Charles Wood
             VTOL - Vaz Tolentino Observatório Lunar
             THE ALS LUNAR DOME SECTION - Guido Santacana and Eric     Douglas - American Lunar Society
              JOURNAL OF GEOPHYSICAL RESEARCH, VOL. 11 - Bruce A. Campbell,  B. R. Hawke, and Donald B. Campbell

Pesquisa e adaptação: Avani Soares

topo